QUANTIDADE x QUALIDADE DO TEMPO COM OS FILHOS

Outro dia ouvi a frase: “É fácil ser um pai ativo quando se é autônomo e tem horários flexíveis”. Ué, tenho amigos que estão desempregados, podem aproveitar melhor o tempo com os filhos, mas poucos se importam. Da mesma forma que tenho um amigo que viaja duas horas até o trabalho, tem um emprego bem estressante, pesado, viaja de volta para a casa e, mesmo cansado, senta no tapete da sala todos os dias para brincar com o seu filho. Eles conversam sobre coisas que aconteceram no dia, rolam pelo chão, dão risadas e vivem intensamente aqueles poucos minutos juntos. Nesse quase um ano como pai, aprendi que pouco importa a quantidade de tempo que fico com a minha filha, mas sim a qualidade do seu tempo que passamos juntos.

Às vezes eu sento com a Luísa e conto todo o meu dia pra ela. Ela parece não entender nada (ela está com 11 meses), mas acha demais a minha boca se mexendo, as minhas expressões e sabe que aquilo que estou fazendo deve ser importante, pois estou presente para aquele momento.

Ela também adora quando eu canto pra ela. Não importa se eu erro a letra, se minha voz é horrível ou se na hora a única música que vem na cabeça é do Katinguelê. Só pra registrar, eu não sou fã de pagode, mas quem está beirando a casa dos 30 anos e não sabe cantar “Lua vai”, não teve infância. Desculpa.

Eu estou longe de ser o melhor pai do mundo. Nessa caminhada, muitas vezes me faltou energia, paciência, ânimo. Vivo me culpando de coisas bobas. Ser pai cansa. Ser mãe então, cansa mais ainda. Mas a minha filha não tem culpa das minhas escolhas.

Sei que tem pai que não sabe como interagir com o filho, tem dificuldades de se aproximar, isso é muito normal. Talvez coisas simples, como deixar o celular um pouco de lado quando estiver com o seu filho, seja um bom começo. As coisas também vão mudar quando você incluir esse tempo com o seu filho na sua rotina, como um tempo importante, precioso, não apenas deixar para ele o tempo que sobra no seu dia.

Por último, aprendi que vai ter dias que você vai chegar animado pra brincar com o seu filho e ele não vai querer brincar com você. Vai querer o colo da mãe, mamar, dormir. Nesses dias eu pego o controle do videogame e aproveito a qualidade do meu tempo de outra forma, porque ninguém é de ferro. =)

Por Fernando Strombeck